Todo mundo já quis viver uma realidade que não fosse a própria, nem que por um dia apenas. Qual fã de literatura nunca sonhou em morar em Nárnia, ou Hogwarts, ou no País das Maravilhas, ou ainda na Terra do Nunca? Qual fã de super-heróis nunca sonhou em visitar Gotham City, ou Metrópolis, ou Themyscira, ou Asgard, ou Wakanda? Todo mundo já quis viver uma realidade que não fosse a própria, e Spencer Gilpin (Alex Wolff) sabe muito bem disso.

Após salvar Jumanji com a ajuda de seus novos amigos e conseguir voltar para o mundo real sã e salvo, as coisas mudaram um pouco na vida deste jovem rapaz. Ele começou a namorar a não mais tão tímida Martha (Morgan Turner) enquanto estava no último ano do ensino médio, depois se mudou para Nova York para cursar a faculdade, começou a morar sozinho, arranjou um trabalho como funcionário de um mercado… Basicamente deu início a fase “adulta” de sua vida.

Imagem: divulgação

Porém, ficar distante de sua namorada e dos amigos Fridge (Ser’Darius Blain) e Bethany (Madison Iseman) não foi tão fácil quanto Spencer imaginou; e, aos poucos, ele foi ficando cada vez mais deprimido e inseguro consigo mesmo. Por isso, quando viajou de volta pra casa a fim de passar o Natal com a mãe, resolveu entrar de novo no mundo de Jumanji (mas sem contar pra ninguém), para se sentir poderoso e imbatível como o Doutor Smolder Bravestone (Dwayne Johnson) outra vez. Mas nada acontece duas vezes da mesma maneira, certo?

Dirigido por Jake Kasdan, que assina o roteiro ao lado de Jeff Pinkner e Scott Rosenberg, “Jumanji: Próxima Fase” expande os limites do jogo e escapa das armadilhas de se tornar repetitivo ao introduzir novos personagens na trama; ao tempo que mantém o mesmo tom aventureiro responsável por tornar o primeiro longa um sucesso de público e bilheteria. No entanto, a ideia de basear o desenvolvimento narrativo do filme no estilo de fases, como num vídeo-game, começa a apresentar sinais de esgotamento.

Imagem: divulgação

Embora tenha saído da selva e adentrado novos cenários, como desertos escaldantes e perigosas montanhas cobertas de neve, o longa também sofre com a falta de um ritmo consistente; problema este causado pelo acréscimo de um drama um tanto quanto desnecessário ao roteiro. A justificativa para retornar a Jumanji também não é das melhores, mas ao entrar de vez no jogo, a história engata e a diversão começa, principalmente com a ajuda do elenco adulto. A possibilidade de misturar os papéis já estabelecidos no primeiro filme é, sem dúvidas, o maior trunfo de “Jumanji: Próxima Aventura“.

Dwayne Johnson e Kevin Hart vivendo agora não mais os jovens Spencer e Fridge, e sim os idosos Eddie e Milo (interpretados no mundo real pelos veteranos Danny DeVito e Danny Glover, respectivamente) é simplesmente genial! O timing dos diálogos e das piadas é hilário, com Hart sendo o principal responsável pelas risadas da plateia! É uma nova dinâmica de interação entre o elenco, muito bem-vinda por sinal. Karen Gillan e Jack Black também estão bem, e, apesar de curta, a participação de Awkwafina é acertada e divertida! Com boas cenas de ação e deixando um gancho para um terceiro filme, esta segunda parte entretém mas tropeça na hora de trazer mais profundidade para seus personagens.

NOTA: 7,5


Direção: Jake Kasdan;
Duração: 2h03;
Gênero: aventura, comédia;
Classificação Indicativa: 12 anos;
Sinopse: Em “Jumanji: Próxima Fase” a turma está de volta, mas o jogo mudou. Enquanto retornam à Jumanji para resgatar um de seus amigos, eles descobrem que nada é como eles esperavam que seria. Os jogadores devem desbravar áreas desconhecidas e inexploradas, desde o árido deserto até as montanhas nevadas, para poderem escapar do jogo mais perigoso do mundo.

Trailer:

COMPARTILHE

Deixe uma resposta