Quando eu assisti ao trailer de “Como Hackear Seu Chefe” pela primeira vez, confesso que fiquei bastante empolgado com a premissa do filme. Dirigido por Fabrício Bittar, que também assina o roteiro ao lado de Vinícius Perez, a trama acompanha Victor (Victor Lamoglia), um funcionário exemplar que, sem querer, envia um e-mail a seu chefe contendo uma apresentação de PowerPoint zoando o próprio, ao invés de uma que deveria falar sobre a empresa.

Desesperado para consertar a burrada que fez, Victor pede ajuda a seu colega de trabalho João (Esdras Saturnino) para contratar um hacker profissional que apague o e-mail já enviado. Com poucas horas disponíveis para isso, a dupla ainda precisa conseguir o dinheiro para pagar o tal hacker e descobrir um modo de entrar no prédio da empresa a fim de deletar uma cópia do e-mail, enviada a outra funcionária da diretoria. Para realizar essa missão presencial, Victor conta com o auxílio de Mariana (Thati Lopes), sua crush que trabalha no setor financeiro, para lhe guiar remotamente.

Imagem: divulgação

Nitidamente inspirado na estética visual de produções como “Buscando…” (2018), do diretor Aneesh Chaganty, que utiliza a interface de aplicativos e sites para contar sua história, “Como Hackear Seu Chefe” conseguiu contornar os impedimentos de se gravar um filme de modo tradicional, impostos pela pandemia do novo coronavírus, mas acumula uma sequência de erros e furos que tornam a experiência de assistir ao longa não tão prazerosa quanto poderia ser.

Antes de discutirmos os pontos negativos, é preciso destacar o aspecto mais positivo do filme: a direção de arte e motion design. O cuidado com os mínimos detalhes gráficos, que remetem às telas de smartphones e computadores, proporciona ao espectador uma imersão realista e muito divertida. O ambiente virtual é bem explorado, de modo que se torna a verdadeira força para o desenvolvimento da trama. Porém, é aqui que os elogios se encerram.

Imagem: divulgação

Frenético do começo ao fim, o enredo dá sinais de inchaço em diversos momentos. Logo no início, na sede de brincar com os recursos visuais, alguns diálogos são atrapalhados pela constante troca de telas e conversas paralelas em chats que saltam aos olhos. Mal dá pra ler tudo o que aparece, e apesar de acostumado com tais interfaces no dia-a-dia, nossos olhos demoram para encontrar um ponto de atenção. Até algumas piadas são prejudicadas pela velocidade da narrativa, que não estabelece um bom timing para o riso. Isso sem falar em algumas situações onde o humor se torna forçado, despertando um efeito “vergonha alheia” no espectador. Mesmo com sua curta duração, cerca de uma hora e meia, a sensação de cansaço no espectador surge antes mesmo da metade do filme.

Impossível também não notar os furos de roteiro. Exemplo: como Mariana, que é funcionária do setor financeiro, tem acesso às câmeras de segurança e as senhas dos dos diretores? E como Victor consegue entrar fantasiado no prédio sem que ninguém o note? Embora se utilize o argumento de que a empresa está sendo dedetizada, não há sequer um segurança ou vigia de plantão? Difícil de acreditar. Para completar, nos 30 minutos finais o longa entra numa vertigem alucinante e invalida sua premissa com um desfecho apressado. No que diz respeito às atuações, Victor Lamoglia é quem mais se destaca, mas não consegue sair do tom clichê intrínseco ao personagem. Thati Lopes está numa zona de conforto, como já visto em outros papéis; e Esdras Saturnino parece um pouco perdido no geral. O resto do elenco é superficial, principalmente o chefe interpretado por Augusto Madeira (um grande ator, vale dizer).

No fim, “Como Hackear Seu Chefe” até consegue arrancar alguns risos de quem assiste, mas não consegue esconder suas falhas atrás de uma estética bem trabalhada e contemporânea.

NOTA: 5,9


Direção: Fabrício Bittar;
Duração: 1h25;
Gênero: comédia;
Classificação Indicativa: 14 anos;
Sinopse: Sem querer, Victor (Victor Lamoglia) envia um e-mail comprometedor a seu chefe mala. Com a ajuda da crush do financeiro e seu amigo sem noção, ele tem poucas horas para salvar seu emprego e lidar com um hacker picareta, um site pornô e um mascote chamado Sorrisinho.

Trailer:

COMPARTILHE

Deixe uma resposta